20 de out de 2012

Babás negras, uniformes Brancos e o racismo no Rio de Janeiro do Séc 21

 

Rio de Janeiro, em Pleno 2012.

Às vesperas das Olimpíadas e da Copa do Mundo no Brasil.
O caso aconteceu no Club Caiçaras, localizado em plena Logoa Rodrigos de Freitas, uma das maiores beleza vista do Corcovado -Cristo Redentor, importante Cartão Postal do País.

Caso de racismo em clube na Lagoa é levado para delegacia

Apesar da desistência da vítima de levar o caso à Justiça, o superintendente de Igualdade Social ressaltou que crime é ação pública incondicionada

Pablo Rebello


A babá Elaine Pacheco diante do clube: barrada mesmo com nome entre convidados
Foto: Guilherme Leporace / O Globo

A babá Elaine Pacheco diante do clube: barrada mesmo com nome entre convidados Guilherme Leporace / O Globo


RIO — A Superintendência de Igualdade Racial do Estado e a Comissão de Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) registraram na terça-feira uma representação criminal na 15ª DP (Gávea) para investigação de crime de racismo que teria sido cometido pelo Clube dos Caiçaras, na Lagoa, contra a babá Elaine Pacheco. A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos está envolvida e atuando diretamente no caso.
Veja também


Apesar da desistência da vítima de levar o caso à Justiça, o superintendente de Igualdade Social Marcelo Dias ressaltou que o crime de racismo é uma ação pública incondicionada e deve ser levada adiante. As entidades ainda pretendem levar o caso para o Ministério Público.

— Existe uma tendência de se tentar desqualificar os casos de racismo, que é crime grave e inafiançável com pena de reclusão de 1 a 3 anos. Muitas vezes as delegacias registram essas ocorrências como injúria qualificada, que é um crime de menor potencial ofensivo. No caso dessa babá, que teve a entrada barrada por ser negra, está bem claro a atitude racista e precisamos coibir esse tipo de comportamento — argumentou Dias.

Leam toda reportagem e acompanhe os comentários em:

http://oglobo.globo.com/rio/caso-de-racismo-em-clube-na-lagoa-levado-para-delegacia-6363596

Babá desiste de levar acusação de discriminação em clube à Justiça

Elaine Pacheco - que só entrou no Caiçaras, na Lagoa, após sócia confirmar que ela era convidada - diz que o caso já lhe rendeu muita dor de cabeça



A babá Elaine Pacheco diante do clube: barrada mesmo com nome entre convidados
Foto: Guilherme Leporace / O Globo

A babá Elaine Pacheco diante do clube: barrada mesmo com nome entre convidadosGuilherme Leporace / O Globo
 
RIO — A babá Elaine Pacheco afirmou, na manhã desta segunda-feira, que não vai mais processar o Clube dos Caiçaras, na Lagoa, por ter sido barrada na entrada do estabelecimento mesmo com seu nome constando na lista de convidados. Elaine, que é negra, acompanhava os filhos dos patrões e teria sido avisada de que não poderia entrar por não estar de uniforme branco, como noticiou Ancelmo Gois em seu blog no GLOBO. Segundo Elaine, o caso já lhe rendeu muita dor de cabeça.
Veja também

— Não imaginei que essa história tomaria esse tamanho todo e não pretendo expor ainda mais a minha família ou a dos meus patrões — justificou a babá.
O caso ocorreu na última terça-feira. Convidada por uma amiga, sócia do Caiçaras, para levar os filhos para brincar no local, Sabina Wasserman avisou que não poderia ir e que, em seu lugar, mandaria a babá. O nome de Elaine, que trabalha há dois anos para Sabina, foi deixado na portaria do clube, junto dos das crianças. Quando Elaine chegou, um dos seguranças a teria chamado de lado e perguntado se ela era babá. Quando a moça confirmou, teria sido avisada de que só poderia entrar se estivesse de uniforme branco. Elaine alegou que seu nome constava na lista de convidados. Mas, mesmo assim, os funcionários do clube impediram sua entrada. O impasse só foi solucionado quando a sócia, Fernanda Lewinson, foi localizada e autorizou a entrada dela sem uniforme.

Clube dos Caiçaras nega preconceito

O Clube dos Caiçaras explicou que permite o ingresso de babás que trabalhem para associados ou seus convidados, sem a contagem de convites, desde que estejam uniformizadas. Em nota, o clube alegou que Elaine chegou “sem estar vestindo roupa branca e sem que seu nome estivesse na lista de convidados”. O Caiçaras disse ter entrado em contato com a sócia, que, “então, incluiu o nome da babá em sua relação de convidados, e a mesma adentrou o clube, sem qualquer restrição.”

— É importante destacar que não há discriminação de raça, de credo ou de posição social dentro do clube. A babá entra uniformizada porque ela é uma prestadora de serviço como qualquer outro funcionário nosso que também trabalha uniformizado, como é a norma. Se a patroa dela não quer que ela use uniforme, ela tem todo o direito de colocá-la como uma convidada, que nesse caso estará indo ao clube para desfrutar dos nossos serviços — destacou o superintendente do Caiçaras, Durval Macieira.

Para o professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e ex-secretário de Direitos Humanos do Rio de Janeiro, Jorge da Silva, o caso salienta dois tipos de racismo: o individual, no qual um julgamento é feito pelo indivíduo em questão, e o institucional, no qual os valores da instituição estabelecem o preconceito. Ele ressalta que, em ambas as situações, o racismo ocorre de uma forma que não é explicita e que isso tem muito a ver com o modo como o brasileiro encara problemas dessa natureza.

— Nós, como brasileiros, criamos uma idealização romântica de nossas relações sociais, onde nos apresentamos como uma sociedade que diz não ser racista e acabamos acreditando nessa mentira, o que nos traz problemas como esse, onde uma mulher humilde, negra e na função de empregada doméstica é discriminada tanto pelo indívíduo que lhe barrou a entrada como pela instituição, que a obriga a se diferenciar das outras pessoas pela utilização de um uniforme branco — detalhou o cientista social.

Leia toda materia e acompanhe os comentários em:

http://oglobo.globo.com/rio/baba-desiste-de-levar-acusacao-de-discriminacao-em-clube-justica-6328699

Colona Anselmo Góis. (07/10/2012)
Só com fardaMais um caso de clube no Rio que proíbe o acesso de babás sem uniforme. No início do ano, lembra?, o Paissandu criou confusão com a babá dos filhos do cineasta Andrucha Waddington.
Agora foi o Caiçaras, na Lagoa. Segunda, tentaram barrar uma negra, Elaine Pacheco, com dois meninos brancos, filhos de Sabina Wasserman.
http://www.blogger.com/blogger.g?blogID=5167373372034653801#editor/target=post;postID=7879974993021834474

Nenhum comentário:

Postar um comentário