27 de nov de 2017

IBGE: População Preta cresce 14,9 em 4 anos.



População que se declara preta cresce 14,9% no Brasil em 4 anos, aponta IBGE



Do total de brasileiros, 8,2% se consideram pretos. Pesquisa mostra ainda que população idosa segue aumentando, enquanto o número de crianças diminui.


Entre 2012 e 2016, o número de brasileiros que se autodeclaram pretos aumentou 14,9% no país. No mesmo período, também cresceu a quantidade dos que se consideram pardos, enquanto diminuiu o percentual de brancos na população. É o que revela a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), divulgada nesta sexta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Continuar no link:

Fonte: 

https://g1.globo.com/economia/noticia/populacao-que-se-declara-preta-cresce-149-no-brasil-em-4-anos-aponta-ibge.ghtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=share-bar-smart&utm_campaign=share-bar



UFRJ - Homenagem ao Dr. Wilson Prudente -




UFRJ Presta Homenagem ao Procurador Federal do Trabalho

Dr. Wilson Prudente.

Fundador e militante do Movimento Negro


Unificado / MNU.













Iêda Leal de Souza: Uma insurgente negra na coordenação do MNU



Iêda Leal de Souza: 

Uma insurgente negra na coordenação do MNU



“É feminista, é radical, é Iêda, coordenadora nacional!” Assim, as mais de 200 lideranças negras participantes do 18º Congresso Nacional do Movimento Negro Unificado, realizado nos dias 27, 28 e 29 de outubro, em Brasília, elegeram sua nova coordenadora, Iêda Leal, e uma direção nacional formada por 70% de mulheres. O desafio é grande. Não é por menos que a plataforma da nova coordenação terá como marca: “Nossa tarefa é reorganizar o MNU para a luta incansável contra o racismo. Estamos preparadas!”

Emocionada, a filha de Moacyr Raymundo de Souza e Maria Gomes Leal de Souza, ele advogado, já ido dos espaços deste mundo, ela ainda hoje, com seus 80 anos, reforçando desde casa a lição de que “na vida nada vem em vão, que só a luta constrói”, tomou por empréstimo o sagrado “UBUNTU” de sua ancestralidade africana para aceitar o desafio de ser coordenadora nacional do MNU: “Eu sou porque somos,” disse Iêda com respeito e gratidão.

A militância no Movimento Negro Unificado começou em Goiás em parceria com a professora Silvany Euclênio na década de 1980. Desde então, Iêda faz das lições aprendidas de grandes lideranças do MNU, como Lélia Gonzalez e Luiza Bairros, e do conhecimento apreendido da literatura das escritoras Carolina Maria de Jesus – “Quarto de Despejo”, Toni Morrison – “Amada”, Conceição Evaristo – “Olhos D´Água”, Cristiane Sobral – “Não vou mais lavar os pratos”, fontes de inspiração para a luta coletiva.

“Eu não ando só” costuma ser a frase mais repetida por essa mulher forte e guerreira, que diz não saber caminhar sozinha por trazer dentro de si as muitas marcas do legado de Zumbi dos Palmares, Dandara, Martin Luther King Jr, Nelson Mandela, Winnie Mandela, Tereza Benguela, Malcolm X e Bell Hooks – lideranças que no seu tempo e do seu próprio jeito conduziram a luta contra o racismo a partir do engajamento coletivo de suas comunidades na defesa do tão sonhado mundo de liberdade.


Defensora das grandes causas: negra, juventude, mulheres, quilombolas, indígenas, LGBT, religiões de matrizes africanas e de todos os oprimidos, Iêda mescla os saberes captados da ativista Angela Davis, de Mãe Ilda Jitolú, Mãe Beata de Iemanjá, Mãe Stella de Oxóssi, do artista Nelson Inocêncio da Silva – “Consciência Negra em Cartaz”, dos poetas Jônatas Conceição, Lande Onawale e Cidinha da Silva e da jovem cantora de hip hop, MC Sofia, para fortalecer a consciência negra.


No caminho da militância e na certeza de ser movimento negro, Iêda tem participado de importantes momentos da luta recente pela verdadeira cidadania da população negra brasileira. Esteve na organização da Marcha Zumbi contra o Racismo e pela Vida, em 1995, um marco para a história da cidadania negra no país. Em 2005, na Marcha Zumbi + 10.  E com o movimento de mulheres negras ocupou Brasília, em 2015, para a Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver!


Continua lendo no link:

https://articulacaounidadenaluta.wordpress.com/2017/11/23/ieda-leal-de-souza-uma-insurgente-negra-na-coordenacao-do-mnu/




23 de out de 2017

WILSON PRUDENTE: PRESENTE!




O Velório do nosso querido Wilson Prudente será amanhã, 24/10/2017 à partir das 10 hs

Cemitério Parque da Paz

Rua Adir Reis, 64 - Pacheco, São Gonçalo 

Sepultamento 16 hs


Dr. Wilson Prudente, era militante do MNU, Produrador do Ministério Público do Trabalho e relator da Comissão Estadual da Verdade sobre a Escravidão - RJ

Era casado com a Dra Inaia Prudente, também militante do MNU e pai de duas filhas.






Segundo o Dr. Marcelo Dias, advogado, primeiro pres da CEVENB/RJ e militante do MNU:

Prudente era mais que um amigo, era um irmão!

Na nota da Comissão Estadual da Reparação Histórica do Povo Negro, oriunda da Comissão Estadual da  Verdade da Escravidão Negra do Brasil da OAB/RJ (2015/2017) conta o seguinte: "Comissão Estadual da Reparação Histórica do Povo Negro, lamenta profundamente o falecimento de nosso querido e respeitado Relator Dr. Wilson Prudente. A CEVENB /OABRJ (2015-2017), honrou os nossos ancestrais entregando o Relatório Parcial da Verdadeira História da Escravidão Negra no Brasil. O Dr. Wilson Prudente, que para nós sempre foi motivo de orgulho e enorme aprendizado, nos deixa saudades com seu jeito alegre, responsável, íntegro e demasiado conhecimento sobre o povo negro e a verdadeira história do Brasil. Continuamos firmes na luta preparando a etapa final do Relatório, seguindo as recomendações deixadas pelo nosso Relator. O nosso querido Prudente nos apontou os caminhos. Seguiremos em frente na luta contra o sistema racista. Prudente, presente!"

18 de set de 2017

PLENARIA DE DELEGADOS PARA O XVIII CONGRESSO NACIONAL DO MNU

ATENÇÃO FILIADOS!!!

QUEM QUISER SAIR DELEGADO AO CONGRESSO DO MNU DEVE SE APRESENTAR NA PLENÁRIA MAIS PRÓXIMA CONFORME CONSTA DO INFORME ABAIXO



25 de abr de 2017

PLENÁRIA ESTADUAL - Movimento Negro Unificado - RJ



PLENÁRIA ESTADUAL 

Movimento Negro Unificado 



     Todas e todos na Plenária Estadual do MNU, dia 29 de abril de 2017, sábado, 09h às 15h, no Sindicato dos Administradores, Av. 13 de Maio, 13, 8º andar - Cinelândia (ao lado do Theatro Municipal do Rio de Janeiro)

Pauta:

1- Informes;
2-Ampliação e Estruturação do MNU nos Municípios;
3- Sede;
4 -  Congresso;
4.1-Filiação;
4.2-Recadastramento;
5- Finanças.





25 de mar de 2017

Haroldo - Aniversário de um ilustre Militante.

      Comemoração de aniversário do ilustre Militante Haroldo Antonio da Silva (MNU/RJ) regado de muitos amigos, familiares, militantes, além de preciosa Brahma, Antárticas, churrasco e daquele saboroso caldo de frutos do mar e uma deliciosa  muqueca.

     Uma liderança expoente no Movimento Negro brasileiro, respeitado em todo Brasil pelo tom combatente inteligente, estratégico e conciliador por quase três décadas de militância.

3 de nov de 2016

Novembro AZUL - MNU na Campanha contra o câncer de próstata


                Tem urologista no SUS?



O Brasil é um país racista. O racismo é a ideologia que organiza o pensamento social e o Estado, impactando diretamente na vida dos negros e negras, como resultado temos uma menor expectativa de vida, maiores taxas de mortalidade, maior risco de adoecer e morrer por doenças evitáveis.
Inúmeras pesquisas publicadas apontam a assimetria no atendimento em saúde da população negra e da população branca. Estes dados colocam grandes questões a serem enfrentadas pelo Sistema Único de Saúde, pois as iniquidades apontadas indicam a existência de racismo institucional operando no interior do Sistema.
Novembro AZUL é uma dedicada campanha de prevenção ao câncer de próstata. Dados do Boletim “Mortalidade por Câncer de próstata” publicado pelo Centro Colaborador em Análise de Situação de Saúde (CCAS) da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, apontam que  os homens da raça negra apresentam cerca de 2 vezes maior o risco de manifestar a doença, além de chance de 2,5 a 3 vezes maior de morrer pelo câncer.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a detecção precoce compreende duas estratégias: uma destinada ao diagnóstico em pessoas que apresentam sinais iniciais da doença (diagnóstico precoce) e outra voltada para pessoas sem nenhum sintoma e aparentemente saudáveis (rastreamento). O rastreamento do câncer de próstata é a realização de exames de rotina (geralmente toque retal e dosagem de PSA) em homens sem sinais e sintomas sugestivos de câncer de próstata.
Sendo  uma doença detectável e sendo os homens  negros os que apresentam maior risco  de manifestar a doença, seria esperado que as autoridades de saúde, reconhecendo a  situação de vulnerabilidade da população negra e do papel do SUS na "promoção da equidade", desenvolve-se programas efetivos para atacar o problema, porém a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN), instituída em 2009, a "Campanha SUS Sem Racismo", lançada em 2014 com cursos à distância,  não viraram ações concretas e portanto não foram suficientes acabar com o racismo institucional.
A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) em 2015 com detalhamento por raça e cor, indica   o preconceito e a dificuldade de acesso como os principais fatores para recebermos  o pior tratamento no sistema público de saúde, esperamos em média 30% mais tempo para sermos atendidos, somos a maioria na fila de espera para exames de complexidades, tratamentos quimioterápicos.
Recentemente a Sociedade Brasileira de Urologia, entidade que aglutina 95% dos urologistas brasileiros, lançou um manifesto criticando as condições de trabalho para o urologista desempenhar sua plena atribuição no SUS e a Política de Saúde do Homem junto ao Ministério da Saúde. Denunciando que o SUS não possui número de urologistas suficientes para atender a demanda resultando na enorme fila de espera para consulta e cirurgias,em complicações e óbitos devido ao diagnóstico e tratamento tardio.
Novembro já é um mês de consciência e de luta, o novembro Azul reforça o nosso compromisso com a vida, nos lembra da nossa vulnerabilidade ao mesmo tempo que mostra o caminho para a solução, nesse caso a prevenção aliada ao diagnóstico precoce eao tratamento efetivo. Temos que lutar contra as já sabidas dificuldades impostas pelo sistema de saúde.  O novembro azul pode se tornar um Ato Político pela saúde dos Negros, vamos dar a essa campanha um caráter efetivo, questionando o acesso, o tratamento e saúde do homem com câncer. Se cada um de nós negros procurarmos um posto de saúde público e exigir o exame de próstata, essa demanda, “inesperada”,vai aparecer nas estatísticas do governo, e assim terão de nos responder com políticas públicas que nos deem a solução.Denuncie as dificuldades,as condições da infraestrutura (material, medicamentos, equipamentos, recursos humanos adequadamente qualificados). Chega de ficarmos calados diante de tamanha irresponsabilidade com a vida humana.

O MNU está na luta cotidiana por melhores condições de vida e saúde da população negra. É por isso que estamos contra a PEC da Maldade (241)que quer retirar ainda mais recursos da saúde e da educação, venha com a gente para a rua.  

Serão os mais pobres os atingidos, somos nós a população de negros e negras que seremos os mais penalizados. 
Grite contra esse mal.


REAJA A VIOLÊNCIA RACIAL.


Por Conti Marcelino - MNU/RJ